22 de ago de 2011

Brasil encara o desafio do envelhecimento-jornal-Gazeta do Povo (Curitiba) de 21 de agosto

Esta foi a capa do jornal, Gazeta do Povo (Curitiba), de ontem, dia 21 de agosto.

O país será uma nação envelhecida em quatro ou cinco anos. Especialistas dizem o que precisa ser feito para comportar a população idosa

Universidades voltadas à terceira idade, delegacias para atender idosos vítimas de crimes, secretarias de governo com políticas públicas para o envelhecimento e vagas exclusivas. Esses são alguns dos sinais de uma mudança que ocorre a passos largos: a transformação do Brasil em uma nação envelhecida. Para especialistas, o país não está totalmente preparado para o processo, que exige novos serviços de proteção social, investimentos e melhorias em setores estratégicos.

Segundo o relatório Envelhe­cendo em um Brasil Mais Velho, do Banco Mundial, a população idosa do país irá mais do que triplicar em quatro décadas: de menos de 20 milhões, em 2010, para cerca de 65 milhões, em 2050.

Longevidade

Idade não é barreira para desafios

O brasileiro vive mais e está mais ativo. A professora Sônia Nadovich, por exemplo, diz que nem sente os 60 anos que tem e busca sempre novas atividades e conhecimentos. Atualmente, ela está aprendendo a usar o computador, nas aulas na Escola de Informática e Cidadania do Shopping Jardim das Américas, e, para o próximo ano, a meta é fazer um mestrado em Teologia. “A gente tem que estar sempre se atualizando”, diz a professora, que vê filmes, baixa músicas e lê revistas na internet.

Inglês, hidroginástica, projeto de artesanato, idas a academias ao ar livre e viagens são atividades constantes na agenda da corretora de imóveis Sirlei dos Santos, 55 anos. O lazer de hoje é possível porque ela decidiu economizar por volta dos 30 anos para parar de trabalhar quando chegasse aos 50. Sirlei, que participa do Núcleo de Aprendizagem e Aprimoramento para a Amadurecência da PUCPR, ainda quer formar um grupo para difundir o gosto pela leitura.

Já a professora Márcia de Fátima Pinheiro de Mello, 52 anos, que recebe aposentadoria, diz que continuará trabalhando até encontrar outra atividade da qual goste. Ela também se dedica à atividade física na academia Gustavo Borges. “Vejo idosos de 80 anos que moram sozinhos e têm uma qualidade de vida que invejo. Preciso chegar lá.” (BMW).

Uma nação é considerada envelhecida quando mais de 14% da população tem acima de 60 anos, aponta o médico gerontologista Alexandre Kalache, que foi diretor do programa de envelhecimento global da Organização Mundial da Saúde. Ele calcula que o Brasil deve atingir esse índice em quatro ou cinco anos – a taxa atual é de 11%.

Segundo Kalache, avanços foram feitos com a criação do Sistema Único de Saúde, o sistema de pensões sociais a pessoas idosas e o Estatuto do Idoso. No entanto, aponta, ainda é preciso fazer uma ampla reforma no sistema previdenciário, criar um serviço de proteção social e incluir os idosos na sociedade e valorizá-los. “O Brasil está envelhecendo muito rapidamente, mas ainda com problemas sociais grandes.”

Razão de dependência

Uma mudança importante deve ocorrer já na próxima década. A partir de 2025, a razão de dependência da população considerada inativa (crianças e idosos) deve crescer, a cada ano, sobre a população potencialmente ativa. O motivo é o evelhecimento da população.

Para o doutor em Demografia José Eustáquio Diniz Alves, professor da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE, o país deveria aproveitar o período atual para gerar empregos e investir em saúde, educação de qualidade, habitação e infraestrutura, além de fazer reformas na Previdência.

“Na situação atual, você tem maior proporção de pessoas em idade de trabalhar. Essa é uma ótima situação demográfica porque tem muita gente trabalhando e pouca gente dependente, como idosos e crianças”, explica. “É preciso aproveitar bem esse bônus demográfico. Nesse sentido, o Brasil melhorou na última década, mas ainda não está fazendo 100%.”

Asilos

A doutora em Saúde Pública Solange Kanso, pesquisadora do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, destaca que o número de asilos é insuficiente e que menos de 1% da população idosa reside neles. Para ela, o país ainda não sabe cuidar da população idosa.

A coordenadora da Saúde do Idoso do Ministério da Saúde, Luiza Machado, explica que o processo de envelhecimento é recente e que o país precisa se preparar. Ela revela que a pasta tem uma política voltada aos idosos e que há uma interlocução entre os ministérios para ha­­ver uma macropolítica no setor. “Se todos se unirem em prol do melhor envelhecimento, com certeza seremos exemplos para muitos países.”

Abaixo, a animação mostra a mudança na pirâmide etária brasileira: nos próximos anos, o Brasil deixará de ser um país jovem e se tornará um país envelhecido.

Cidade Amiga
Os municípios devem se adaptar para a melhoria da qualidade de vida dos idosos e da população como um todo. Abaixo serão destacados os principais pontos de melhorias a serem providenciados pelas cidades:
Segurança
A segurança pública deve proporcionada, por exemplo, com boa iluminação pública, patrulhamento policial, cumprimento da legislação e apoio a iniciativas de segurança da comunidade e pessoal.

Prédios
Os prédios devem ser acessíveis com elevadores, rampas, sinalização adequada, corrimãos, degraus não muito altos ou inclinados, piso anti-derra-pante, áreas de repouso com cadei-ras confortáveis e número suficiente de banheiros públicos.

Ruas
Os semáforos devem ser regulados para dar tempo suficiente para a travessia e terem dispositivo visual e sonoro. O calçamento deve ser bem conservado, nivelado, anti-derrapante e amplo para acomodar cadeiras de rodas, com um meio-fio baixo para facilitar a transição para a rua. Além bancos públicos para o descanso.

Transporte público
Os veículos devem ser acessíveis, com piso que rebaixa, degraus baixos e assentos amplos e elevados e com indicação do seu número e da rota que fazem. Deve haver prioridade para os idosos senta-rem e os motoristas são gentis, obedecem às regras de trânsito, param nos pontos determinados, esperam que os passageiros estejam sentados antes de sair, e param junto às calçadas, para facilitar o embarque e o desembarque.

Educação
Capacitação para atividades pós-aposentadoria deve ser oferecida, além de existirem e existem oportunidades para trabalhadores idosos. Entre as opções, há emprego em meio-expediente ou temporário.

Saúde
Capacitação para atividades pós-aposentadoria deve ser oferecida, além de existirem e existem oportunidades para trabalhadores idosos. Entre as opções, há emprego em meio-expediente ou temporário.

Jornal "Gazeta do Porvo" publicado em 21-08-2011 por Bruna Maestri Walter

Nenhum comentário: