13 de jun de 2011

Cientistas prevêem tratamento eficaz para a Doença de Alzheimer

Em cerca de cinco anos, deve ser criado um tratamento eficaz para o Alzheimer – o procedimento será capaz de devolver as faculdades mentais aos pacientes.

A previsão foi feita por cientistas que participam da Conferência Internacional sobre Novas Descobertas do Cérebro, no Panamá. A doença neurológica, que atinge um terço das pessoas acima de 85 anos no mundo, leva à perda progressiva da memória e ainda não tem cura.

Para o cientista japonês Kiminobu Sugaya, existem hoje estudos muito avançados sobre a doença. "Eles demonstram que, ao aumentar o número de células no cérebro de um paciente, a doença pode ser detida", diz o professor de neurociência da Universidade Central da Flórida, nos Estados Unidos. Esse acréscimo é feito com células-tronco, retiradas da etapa pré-natal de uma pessoa, e que seriam transplantadas ao paciente em caso de Alzheimer. "A ideia é que as células-tronco se transformem em neurônios saudáveis, que substituam os doentes", diz Sugaya, que testou com sucesso a técnica em ratos.

Novo remédio avança no combate ao Alzheimer

Segundo Daniel Chain, presidente da empresa Intellect Neurosciences Inc., o desafio agora é a criação de novos medicamentos que detenham a doença e impeçam o acúmulo da toxina beta-amiloide. A beta-amiloide é uma proteína que se acumula no cérebro dos doentes de Alzheimer, criando uma espécie de emaranhado que dificulta a comunicação entre as células. "Acredito que dentro de cinco anos haverá remédios no mercado para reverter o Alzheimer", disse Chain.

O especialista afirma ainda que nenhum dos fármacos disponíveis hoje são eficazes contra a doença. "Os medicamentos são administrados ao paciente para melhorar sua vida diária, mas não fazem nada para retardar o avanço da doença", diz a cientista panamenha Gabrielle Britton. Para ela, o maior desafio é poder identificar um biomarcador (uma proteína ou um gene) que permita prever se a doença irá se desenvolver. Isso porque os especialistas asseguram que o Alzheimer tem um componente genético em 10% dos casos.

De acordo com Britton, 50% das pessoas com 85 anos sofrem de algum tipo de demência – a mais comum entre elas é o Alzheimer. A doença deve seu nome ao psiquiatra e neurologista alemão Alois Alzheimer (1984-1915), que no começo do século XX identificou seus sintomas e a degeneração que causa no cérebro.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/cientistas-preveem-tratamento-eficaz-para-o-alzheimer-em-cinco-anos

Nenhum comentário: