23 de fev de 2011

ONU quer mais investimentos para a terceira idade

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e o governo da Finlândia promoveram, em Nova York, um debate sobre as necessidades dos idosos.

A reunião ocorreu de forma paralela ao encontro da Comissão Econômica e Social das Nações Unidas, que terminou na última sexta-feira (dia 18-fev).

Especialistas em envelhecimento pediram mais empenho aos governos e a comunidade internacional em relação aos cuidados de pessoas com 60 anos ou mais.

Nos anos 1980, o mundo tinha 378 milhões de pessoas nessa faixa etária. Hoje, a terceira idade representa 759 milhões. Pelas estimativas da ONU, em 2050 serão 2 bilhões.

Em entrevista à Rádio ONU, de Minas Gerais, o especialista em geriatria e gerontologia Márcio Borges, contou que o fenômeno do envelhecimento no Brasil ainda é recente, mas firme:

“O Brasil começou a envelhecer, realmente, nos últimos 30 anos. Em 1990, nós tinhamos em torno de 7 milhões de pessoas idosas no Brasil. Ano passado, nós tivemos a notícia, segundo o IBGE, de que já estamos com 21 milhões de pessoas idosas, ou seja, quase 11% da população brasileira. Um envelhecimento rápido de um país em desenvolvimento com características todas especiais em relação ao empobrecimento dessa população, em relação à falta de serviços e de uma cultura que realmente dê valorização à pessoa idosa”, disse.

Apesar da população mais velha crescer em todas as partes do mundo, é nos países em desenvolvimento que o fenômeno ocorre com mais frequência.

Fonte: Pedro Nakano, da Rádio ONU em Nova York - Apresentação: Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Nenhum comentário: